Notícias do Sindimoc

Imagem

Em três semanas, Paraná já registrou 117 casos de dengue

Curitiba, 28 de agosto de 2019 | 11h30

Imprimir   Enviar por e-mail

O Paraná registrou mais 42 casos de dengue na última semana, segundo o boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira (27) pela Secretaria de Estado de Saúde. Agora são 117 casos confirmados. Além disso, o número de notificações quase dobrou, passando de 856 para 1544.

Os municípios com maior número de casos confirmados são: Umuarama (12), Uraí (10) e São Miguel do Iguaçu (8). Já os municípios com maior número de casos suspeitos notificados são Londrina (321), Foz do Iguaçu (162) e Maringá (91).

Segundo a Sesa, 62 municípios (15,54%) estão classificados em situação de risco de epidemia; 196 municípios (49,12%) estão em situação de alerta e; 135 municípios (33,83%) em situação satisfatória; 06 municípios (1,5%) não enviaram informações referentes ao monitoramento.

O secretário da Saúde, Beto Preto, voltou a reforçar o combate ao criadouro do mosquito Aedes aegypti, transmissor das doenças dengue, Zika vírus e Chikungunya: "Em relação a dengue são os cuidados de sempre, evitar o criatório do mosquito Aedes Aegypti. Então, vamos fazer uma instensificação dessas ações nos municípios. Nossas equipes das regionais de saúde estão trabalhando nisso também, principalmente nesse mapa que nós montamos, dos últimos 10 anos, que mostra principalmente onde a doença esteve em epidêmia". 

A orientação da Sesa é observar os tipos de criadouros para combater o mosquito que transmite essas doenças e a prevenção deve se estender também no período de inverno.

A atenção deve ser redobrada em locais com pneus velhos, quintais, pratos ou vasilhas de plantas, caixas d’água, antenas parabólicas, grades e portões, troncos ocos de árvores, terrenos baldios, piscinas e vasos sanitários.

Segundo a Sesa, os ovos do Aedes aegypti permanecem viáveis por até 450 dias e, no momento que encontram as condições ideais, como na mudança para a próxima estação, se transformam em larvas e depois em mosquitos.


Fonte: CBN - Repórter William Bittar

Compartilhe esta notícia
   
 

Comente esta notícia

Nome

E-mail

Empresa

Digite o código ao lado

código captcha

Comentário (máximo 600 caracteres) | Restam: